3 de dezembro de 2007

TOD@S A VIGO O 6 DE DEZEMBRO



O 6 de Dezembro será contestado polo soberanismo galego na cidade de Vigo com umha manifestaçom nacional convocada por Causa Galiza. Será a segunda vez que a entidade autodeterminista sairá à rua no presente ano em favor dos nossos direitos nacionais. No passado dia da Pátria, o corpo social articulado em Causa Galiza logrou juntar em Compostela as reivindicaçons nacionais da mao de um grosso número de participantes. Desta volta a marcha, que partirá desde a Via Norte de Vigo às 12h30 levará a legenda Pola autodeterminaçom, nom à constituiçom espanhola e centrará a sua denúncia no papel colonial que Galiza joga no marco da constituiçom espanhola.

Reproduzimos na íntegra o manifesto tirado do prelo para a convocatória:

O movimento polos direitos nacionais galegos precisa de se rearticular e rearmar. A chamada 'correcçom política' tem expulsado o exercício dos direitos colectivos fora do quadro jurídico-político, fora da actualidade do debate social, e fora dos meios de comunicaçom de massas. Os grandes poderes económicos e políticos actuantes na Galiza seguem na posiçom de sempre: som inimigos da soberania galega, porque a decisom do nosso povo sobre os seus destinos colectivos poderia barrar os seus planos da desfeita: privatizaçom do território, turistificaçom, restriçom de direitos dos trabalhadores e economia do tijolo.

Na actualidade, a grande imprensa empresarial é umha portavozia obediente dos conglomerados industriais, as promotoras e as transnacionais da energia.

Todos os partidos institucionais, sem excepçom, também estám interessados em marginalizar a exigência autodeterminista: vivem em exclusiva para gerirem um modelo territorial e socioeconómico que consideram indiscutível, exprimindo os seus máximos lucros para manter os profissionais da política. A galeguidade nom é para eles a defesa de umha identidade agredida e/ou de um projecto de poder popular, mas um verniz sentimental para consolidar os seus postos e condimentar os seus negócios. Sob o governo destas estruturas incontestadas, oficializa-se o mercadeio e a imagem, a cousa pública eleva-se a dedicaçom privada, expande-se o jogo de favores e a gestom da miséria, e a crítica radical risca-se de inoportuna e molesta. Nunca na nossa história a palavra 'política' estivo tam deslegitimada, e nunca foi tam preciso revitalizar, no trabalho e na rua, o sentido emancipador da causa galega. Se nom for assim, perante um panorama generalizado de agressom sem resposta, as maiorias sociais instalarám-se de vez na desídia.

O espanholismo, através dos seus dous grandes partidos, nom abandona jamais a sua soberba. Reafirma-se na sua trincheira constitucional e, de boca grande, di às naçons nom espanholas da Península que nom cede no seu direito de conquista: o monarca nom se pode questionar; a autodeterminaçom e ilegal e mesmo toda reforma estatutária passa finalmente pola peneira de Madrid; os tribunais de excepçom mantenhem-se activos, e @s independentistas som julgad@s pola audiência nacional, ao ditado do executivo e das suas conveniências conjunturais. Em contraposiçom, os autonomistas e nacionalistas mornos falam de boca pequena, tatejam reivindicaçons mínimas, e pedem um bocado de tacto na sua procura de quota eleitoral. Mas já passou a etapa das concessons aparentes, e a hispanidade 'plural' do governo de hoje converge, no fundo, com o modelo que a extrema-direita vem promocionando.

Causa Galiza rejeita a constituiçom espanhola de 78, surgida da reforma do regime franquista, que é o quadro jurídico, político e administrativo para a opressom da Galiza, a exploraçom da classe trabalhadora e a, que proíbe expressamente o exercício do direito de autodeterminaçom e é garante da “unidade de Espanha”.

Causa Galiza considera que a reivindicaçom do direito de autodeterminaçom virá da mao da luita do povo trabalhador de unha óptica de esquerda, assim pretendemos que a reivindicaçom autodeterminista alcance maior profundidade e dimensom; para isso tem que ligar-se com tantos conflitos parciais que se livram no País e chamamos a participar na manifestaçom do 6D às organizaçons sociais, políticas e sindicais que defendem o direito de um povo a decidir.

Causa Galiza insiste em pôr de novo a reinvidicaçom elementar da soberania galega, sem ceder nem um milímetro na exigência de autodeterminaçom como única garantia democrática face à imposiçom constitucional. Neste dia da Constituiçom espanhola, queremos insistir na vigência da nossa luita, somando-nos a todos aqueles e aquelas que exercem os seus direitos dia a dia, luitando contra as agressons imperialistas, sem renunciarmos à rua como cenário fundamental de acçom social e política.

Esta iniciativa quer contribuir para erguer um espaço pola soberania plena que dê eco às luitas que articulam à gente autoorganizada em todos os campos da vida.


Na Galiza, 6 de Dezembro de 2007

Detalhes para o Acampamento 2017 Olá montanheiras! Já está toda pronto para o acampamento: esta sexta-feira, dia 15 de S...