29 de janeiro de 2013

Desenho de Antom Santos

Desde a prisom de Aranjuez chegou a mãos dumha companheira este precioso debuxo de temática montanheira feito polo companheiro Antom Santos. Ainda que dentro do cárcere nom tem acesso a bom material para o debuxo, fai-nos chegar maravilhas como esta. Desde AMAL queremos comparti-lo com tod@s vos.

Antom, vemo-nos no monte! 
Liberdade independentistas!

O L.S. Faíca organiza um roteiro polo rio Jabrinha

O Sábado 16 de Fevereiro as companheiras e companheiros do Faísca botam-se ao monte para conhecer o val do Jabrinha e o seu entorno situado nos montes de Covelo. A riqueza natural e etnográfica que apresenta éste roteiro é das máis importantes da zona polo que paga a pena a súa realizaçom.
Combinara-se as 09:30 no L.S Faísca e é preciso levar roupa para mudarse já que o roteiro percorre o curso do río Jabrinha anegando algún tramo nesta época do ano.

Bota-te ao monte!

22 de janeiro de 2013

O espólio dos metais galegos: Transnacionais procuram lucros através da minaria de metais

As riquezas minerais da Galiza som conhecidas desde antigo. Os Romanos vinhérom e ficárom para explorar o ouro das nossas montanhas. Durante a Segunda Guerra Mundial, o volfrâmio galego foi cobiçado por uns e outros, e boa parte serviu para ajudar a indústria bélica do III Reich. A história da mineraçom é também a história dum espólio. As consequências dumha indústria extractiva agressiva para com o meio, pagamo-las nós. Os benefícios económicos, esses, pouco param por aqui. Várias empresas transnacionais, com a colaboraçom do Governo autónomo, estám a desenvolver dúzias de projetos mineiros na Galiza, com o único objectivo de ganharem mais.

 A Junta da Galiza aumentou perceptivelmente as licenças de investigaçom geológica em território galego, licenças de que empresas transnacionais e fundos de capital de risco estrangeiros som beneficiárias em boa parte. Segundo informaçons publicadas nos últimos meses, até à data fôrom apresentados cerca de 170 pedidos de investigaçom geológica. O jornal La Voz de Galicia (5 de novembro) dedicou um suplemento especial às actividades mineiras, onde se dava conta das investigaçons que a Solid Mines España S.A.U., filial da firma de capital risco canadiana Solid Resources Ltd., está a realizar para extrair coltám, entre outros minerais metálicos. Outros projetos estám em curso. Em Corcoesto há projetos para a explorar ouro; na Serra do Galinheiro, para “terras raras”; em Viana do Bolo, para tantálio. Outros lugares estám a ser prospectados. A lista continua.

O professor de Economia Aplicada da Universidade de Santiago de Compostela, Xoán Doldán, indica que volta a haver interesse nos recursos mineiros galegos, quer na exploraçom de recursos antigos, como o ouro ou o volfrámio, quer de novos recursos, como o tantálio. No caso das antigas exloraçons mineiras, Doldán diz que essas exploraçons “fôrom a dada altura abandonadas porque deixaram de ser rendíveis, mas agora essa riqueza de mineral poderia ser interessante na situaçom do mercado dos metais a nível mundial”. Quanto ao tantálio (ou coltám, que é como se conhece quando vem associado com outros minerais), é especialmente interessante nestes momentos pola sua ligaçom à indústria eletrónica”. Doldán salienta que está a acontecer a nível global algo semelhante ao que acontece com o petróleo e que já se poderia falar dum “pico dos metais”. “Precisamente por essa escassez, jazigos minerais que noutros momentos nom teriam demasiado interesse comercial agora passam a tê-lo”, expom Doldám, “porque o preço desses minerais é o suficientemente alto para que certas exploraçons, ainda que poidam ter um rendimento baixo em termos físicos, fique compensado polos preços que tenhem no mercado".
 Residuos da minária no Maçizo de Trevinca. Foto de roteiro de AMAL

Ouro e cianeto em Corcoesto
O projeto para abrir umha exploraçom de ouro em Corcoesto está a suscitar forte oposiçom entre a vizinhança e é talvez o projeto de mineraçom de metais que está a ser mais falado no País. Meli Souto, da Plataforma na Defensa de Corcoesto, explica que já na época romana se conhecia dos jazigos de ouro nesta zona. Nos anos 90 a Rio Narcea Gold Mines adquiriu os direitos de exploraçom e iniciou as atividades de pesquisa e tramitaçom do projeto. Em 2010 a canadiana Edgewater Exploration Ltd. adquiriu 100% da RNGM, e com isso os direitos do projeto de Corcoesto, com a finalidade de pô-lo em marcha logo que possível. “Os antecedentes som múltiplos, mas a viabilidade do projeto por causa da sua 'rendibilidade' tivo de esperar por umha situaçom económica global favorável, como a que estamos a viver na atualidade”, diz Meli Souto. E acrescenta que “houvo impedimentos para se aceder ao projeto na fase de exposiçom pública, e isso porque a Administraçom considera o projeto como Industrial Estratégico, de modo que dispugemos apenas dum mês para apresentar as alegaçons técnicas e jurídicas, juntamente com o Projeto de Exploraçom, o Estudo de Impacto Ambiental e o Plano de Restauraçom”.

Os movimentos ambientalistas mostram-se mui críticos com que se esteja a tramitar simultaneamente a declaraçom desta mina como Projeto Industrial Estratégico. Nela Aguiño, da Verdegaia, explica que “a recente ‘Lei Industrial de Galicia’ (13/2011) permite acelerar todos os trámites dos projetos considerados estratégicos e a avaliaçom ambiental fai-se polo método abreviado. Parece feita por medida para dar via livre a todas as desfeitas”. A “nom sujeiçom a licença urbanística municipal” ou “a declaraçom de prevalência sobre outras utilidades públicas” som algumas das vantagens que estabelece o artigo 42º desta lei para favorecer os projetos declarados estratégicos. Umhas das condiçons da legislaçom para que um projeto seja considerado estratégico é que este produza 250 postos de trabalho. No mês de junho, o presidente da Xunta afirmava que a nova exploraçom da mina de ouro em Corcoesto geraria 1.371 postos de trabalho. O professor Doldán diz-nos que essas cifras som falsas, pois que “em nengum documento a empresa fornece tais cifras e dá outras, das quais se deduz que nom vam chegar a esses 250, possivelmente nem se chegue aos 100 postos”.

Por outro lado, som múltiplos os efeitos prejudiciais que a mineraçom do ouro tem sobre o ambiente. As águas, sobretodo as subterrâneas, podem ser contaminadas por cianeto (substância empregada para separar o ouro), os cursos dos rios sofrerem alteraçons, as nascentes podem secar e aumentarám as emissons de rádon. Segundo expom Nela Aguiño, “as verqueduras de materiais pesados (níquel, arsénico ou chumbo) ultrapassam os limites legais. Estes metais som arrastados polas águas de escoamento e vam parar ao rio Anlhons”.

Serra do Galinheiro
O de Corcoesto é um exemplo da cobiça que está a despertar a riqueza mineira no nosso país. Mas nom é o único. A Plataforma pola Defesa da Serra do Galinheiro acaba de apresentar alegaçons ao projeto de investigaçom do potencial mineiro em terras raras que neste espaço pretende realizar a sociedade de investidores sulafricanos Umbono Capital. Segundo a Plataforma, de cada tonelada de mineral extraído e tratado obtenhem-se entre 50 e 500 gramas de óxidos de terras raras. Serám usados produtos tóxicos, alguns contendo elementos radiativos, que poderiam acabar por filtrar para o subsolo. No caso da Penouta, em Viana do Bolo, é a canadiana Pacific Strategic Mineral a interessada em extrair tantálio dumha mina que fechou nos anos 80. Aqui foi a Sociedade Galega de História Natural que saiu nos meios de comunicaçom (os meios espanhóis chegárom a mencionar este lugar como “o Congo espanhol”) para denunciar que a exploraçom mineira estava situada num lugar protegido.
Serra do Galinheiro. Foto de roteiro de AMAL
Mineraçom sustentável?
Por definiçom, a atividade mineira é agressiva para com o meio. Perguntado pola possibilidade dumha minaria sustentável, o professor Xoán Doldán afirma que “a única mineraçom sustentável seria aquela em que, umha vez que som extraídos os minerais, o emprego destes se prolongasse o máximo possível”. Deste jeito, Doldán crê que há que “pensar umha mineraçom diferente, umha mineraçom do lixo. Pensar nessas outras jazidas de materiais que som os aterros ou as instalaçons de tratamento do lixo, pois acontece muitas vezes que se queima o lixo sem se aproveitarem esses materiais”.

Texto de A.L. publicado no xornal Novas da Galiza número 121 (02/02/2013).

20 de janeiro de 2013

CRÓNICA DA 34ª MARCHA DA AMAL: SAM MAMEDE


O Sábado 19 de Janeiro partiu a 34ª Marcha da AMAL para trilhar, mais umha vez, os caminhos do Maciço galego. As duras condiçoes meteorológicas previstas nom conseguirom achantar às montanheiras, que começarom o caminho na boca do rio Queixa na barragem de Chandreja de Queixa, com a certeza de que ia ser necessário mudar o percurso previsto por causa dos rios nom terem cabimento nas suas bácias. A rota original planejava fazer noite na aldeia da Edreira, para o que cumpria atravessar o corgo da Boqueira, afluente do Edreira que, tras várias achegas fai o rio Queixa. A possibilidade de isto nom ser factível e mesmo de que o refúgio da Edreira nom estivesse em boas condiçoes para fazer a noite, animou-nos a mudar a rota para meter-lhe o dente ao cúmio  de Sam Mamede (1.616 m).

Começou o caminho polo vale do Queixa: regueiros de penas descem agudos polas abas lambidas dos glaciares que noutrora ocuparom estas terras; o rio impetuoso lavra um dos vales mais fundos do Maciço, e acompanhou-nos bruando até a aldeia da Ferreiria onde começamos a subir polo caminho que transcorre paralelo à corga de Torneiros, um ascenso por umha fraga belida de alvos bidueiros, avondosos acivros e liques viçosos que vestem os carvalhos. A meio caminho a chuva persistente mudou em silandeira neve e, em cousa de umha hora, o branco engalanou o bidueiral, de jeito que ao chegar a aldeia abandonada de Teixedo todo era áuga aos nossos pes.

Por caminhos anegados continuamos a rota que, por riba dos 1.300 metros bordeia a fraga por pistas cobertas de neve, onde perdemos o aconchego do vento que nos presenteava a floresta. Acompanhará-nos desde entom um frio intenso que nom tiraremos dos nossos corpos até bem andado o descenso. As montanheiras demos fé das prediçoes metereológicas de alertas máximas e ciclogéneses explosivas, e comprovamos nos próprios corpos a dureza da montanha. No cúmio de Sam Mamede um forte vento carregado de neve gélida impedia-nos enxergar ao nosso redor; com dificuldade podiamos erguer as nossas cabeças para olhar-nos no caminho. Impossível nestas condiçoes tirar a foto de equipa no cúmio: malia que procuramos faze-lo na capela do Santo, o vento louco que semelhava aparecer desde todas as direçoes nom no-lo ia permitir.
Nestas condiçoes procuramos o refúgio que se atopa nas imediaçoes da capela, que encontramos em melhor estado que na rota de Janeiro de 2012. Ali pudemos petiscar algo, mas o intenso frio empurrou-nos a reanudar rapidamente a marcha, percorrendo durante aproximadamente 2 Km a crista de Sam Mamede até o Alto da Fornosinha, onde começamos o belido caminho de descenso que nos levaria de novo a aldeia da Ferreria, bulindo para espilir o frio por um caminho de neve, enquanto aos poucos nos foi acolhendo nas suas saias a montanha.

Rematou assim mais umha marcha da Agrupaçom, na que pudemos viver de perto a afouteça da montanha, que nos tinha preparada umha dura rota por causa do clima. Como sempre, o convívio ledo que nos procuram estas nossas aventuras e a nossa paixom polos cúmios desta Nossa Terra, fizeram deste roteiro umha belida marcha, animando-nos sem dúbida a repetir o Maciço, que percorreremos na próxima Marcha pola Serra de Queixa e o Samiom, para o próximo mês de Março, aguardando que, desta vez sim, as condiçons nom no-lo impidam.

11 de janeiro de 2013

34ª MARCHA: Sam Mamede - Montes do Samiom. 19-20 Janeiro

O Maciço Galego está formado por umha serie de serras mais ou menos desordenadas, mas que obedecem a dous limites bem definidos por acidentes geográficos: polo Norte o encaixotamento do Rio Sil e polo Oeste a Falha de Maceda coas depressons de Verim e Maceda. Podemos considerar como os conjuntos montanhosos principias a Serra de Sam Mamede, a Serra da Queixa e os Montes do Invernadouro, malia que existam derivaçons destas de grandes dimensons como o Fial das Corças, os Montes do Samiom ou a Serra da Pena. A máxima altitude é a Cabeça Grande de Maceda, com 1.782 m, na Serra de Queixa.
A rocha dominante é o granito de duas micas, agás no Sul, onde abundam os xistos e as quarcitas. Durante a Era quaternária estivo coberto de glaciares que, como poderemos ver, deixaram numerosas pegadas em toda a zona (circos glaciares, morredeiras, vales de artesa,...)

Ao ser umha superfície tam ampla e com o relevo tam variado topamos ecosistemas muito diversos, tanto de tipo mediterráneo (vale do Bibei) como atlántico, ainda que está muito degradado polas queimas e os bosques ficam reduzidos a pequenas superfícies no fundo dos vales e nas abas das montanhas.

No futuro vamos prestar atençom ao bloco que formam a Serra de Sam Mamede, a Serra da Queixa e Os Montes do Samiom, por ser alvo das futuras expediçons de Janeiro e Março. A de Sam Mamede presenta umha orientaçom NO-SE e é a parte ocidental do maciço. Forma ángulo recto coa Queixa (NE-SO) e com os Montes do Samiom (NE-SO). A máxima altitude é Sam Mamede com 1.616 m. A destacar os formosos bosques de bidueiros que se situam nas abas orientadas cara o oeste, com exemplares centenários. O Bidueiral de Monte de Ramo distingue-se polas suas dimensons,  pola altitude à que está situado (entre os 1.000 e 1.600 m) e por ser um dos bidueirais situados mais ao Sul da Galiza.

O sábado 19 de Janeiro, o nosso caminho percorrerá o vale do rio Queixa, que escava um dos vales mais grandes do maciço, entre as impressionantes formaçons da Serra de Sam Mamede e os montes do Samiom. Desde a aldeia da Ferreiria, vestígio dumha indústria artesanal metalúrgica no coraçom do maciço, subiremos até a aldeia abandonada de Teixedo e desde ali poderemos caminhar até a fraga do Meixom, se quadra a mais representativa do bidueiral de Monte de Ramo. De novo no vale, caminharemos à beira do Queixa até a aldeia de Edreira, onde faremos noite.
No vértice onde se unem as três formaçons (Sam Mamede, Queixa e Samiom) nascem inúmeros regatos dominados polo Edreira que trás varias achegas formará o rio Queixa, que morre na barragem de Chandreja de Queixa. O percorrido polo vale do Queixa desde o ponto de partida, na cola da barragem, até a aldeia da Edreira é de 10 km. Mediremos as forças das montanheiras para desviarmo-nos desta rota e trilhar os caminhos das abas orientais de Sam Mamede cara o bidueiral, mas podemos falar, aproximadamente, dumha caminhada duns 20 Km para esta primeira jornada.

Faremos noite na aldeia da Edreira, por onde nom poderemos passar sem fazer alusom a história das combatentes que lá moraram até que, no ano 1.949, logo de ser traizoadas polo PCE e ante um forte recrudescimento da ofensiva fascista contra a Guerrilha, cairam em combate contra a Guardia Civil.
A aldeia da Edreira estivo conformada por umha soa casa, a da família Galám, e foi comandaria no coraçom do Maciço dos grupos Guerrilheiros que operavam na Terra de Caldelas e de Trives, no que luitarom nomes que ressoam na memória colectiva das vizinhas da zona, como o de Mario de Langulho, “O Mário”, e muitas outras boas e generosas. A casa da Edreira foi umha dessas centos que ao longo da nossa geografia sostivo a resistência fronte ao fascismo espanhol, a qual nom seria possível sem os miles de pessoas anónimas que fizeram de enlaces, informadoras, subministradoras  de roupa, alimentos e outros recursos,... as que abriram as portas das suas casas às combatentes como a irmás. Nom se pode entender a magnitude da resistência sem atender à profunda rede que tecia na nossa sociedade, sobre laços de solidariedade, irmandade e comunidade. Estes foram, naquela altura, o principal inimigo para a instauraçom do fascismo espanhol, como o som, a dia de hoje, para a imposiçom definitiva na Nossa Terra de Espanha e do capital.   

Por isso nom foi casual a crueldade com a que a Guardia Civil assassinou às pessoas que lá moravam junto com as guerrilheiras que se topavam naquel momento, algumhas depois de ser transladadas a Corunha e julgadas pola “lei de fugas”, para logo queimar a casa e as palheiras e derrubar a ponte. Hoje a Edreira é um conjunto de grossas paredes de pedra e fortes pilares sobre o rio, já que da queima só se salvou a capela, que logo foi utilizada como cabana de pastoras e refúgio de montanheiras, e supom-se que nas imediaçons do lugar há umha fosa comum com os corpos de 4 a 6 pessoas, entre os que se topariam Francisco Galam e algumhas das suas familiares, mortas como represália polo seu apoio à guerrilha.

Nom poderemos passar pola Edreira sem fazer sentida homenagem às que lá perderam a sua vida como às que a arriscam, a dia de hoje, no nome dos mesmos ideais. Aliás, nom pode haver paragem mais belida para sentir com nós às que nom estám e para tirar do silêncio a memória que nos roubaram.
Foto do anterior roteiro de AMAL pola zona no 2012
O Domingo 20 começaremos a manhá refrescando-nos nas augas do rio da Edreira, que é necessário cruzar tirando as botas e as calças, polo que recomendamos levar algo para secar-se (pode ser umha toalha pequena, incluso para compartilhar entre várias montanheiras). Logo começará o ascenso polos Montes do Samiom, desde onde nos embeleiçaram as vistas, à esquerda de Sam Mamede e à direita de Queixa, com Maceda ao fundo. Após umha caminhada de aproximadamente 15 Km, chegaremos ao Xistral, o ponto mais elevado do Samiom, com 1.594 m, para logo descer a aldeia de Taboaças, onde procuraremos algumha história da guerrilha ou, se quadra, do Lobisome, o Romasanta, umha lenda que percorre a Serra desde que a meados do XIX sucederam-se vários assassinatos no lugar. Desde aqui já fica um curto caminho até o ponto de partida, onde poremos fim a mais umha marcha da AMAL.

Marcha: Sam Mamede – Montes do Samiom
  • Dificuldade: Média-alta
  • Datas: Sábado 19 Janeiro.....20 km. Domingo 20...15 Km
  • Equipa necessária: Roupa de montanha apropriada para as condiçons meteorológicas, comida para 2 jornadas, saco e esterilha, toalha pequena.
  • Combinaremos: De carro às 9h em Monte de Ramo, junto ao bar que está na praça frente ao mosteiro.
  • Para anotar-se: Ou consultar qualquer dúvida no tlfe. 687 913 857. Faremos noite num refúgio no que colhem 10 pessoas. Cumpre anotar-se com antelaçom, por se for necessário levar tendas de campismo a maiores.
CRONICA DO ROTEIRO

O Sábado 19 de Janeiro partiu a 34ª Marcha da AMAL para trilhar, mais umha vez, os caminhos do Maciço galego. As duras condiçoes meteorológicas previstas nom conseguirom achantar às montanheiras, que começarom o caminho na boca do rio Queixa na barragem de Chandreja de Queixa, com a certeza de que ia ser necessário mudar o percurso previsto por causa dos rios nom terem cabimento nas suas bácias. A rota original planejava fazer noite na aldeia da Edreira, para o que cumpria atravessar o corgo da Boqueira, afluente do Edreira que, tras várias achegas fai o rio Queixa. A possibilidade de isto nom ser factível e mesmo de que o refúgio da Edreira nom estivesse em boas condiçoes para fazer a noite, animou-nos a mudar a rota para meter-lhe o dente ao cúmio  de Sam Mamede (1.616 m).


Começou o caminho polo vale do Queixa: regueiros de penas descem agudos polas abas lambidas dos glaciares que noutrora ocuparom estas terras; o rio impetuoso lavra um dos vales mais fundos do Maciço, e acompanhou-nos bruando até a aldeia da Ferreiria onde começamos a subir polo caminho que transcorre paralelo à corga de Torneiros, um ascenso por umha fraga belida de alvos bidueiros, avondosos acivros e liques viçosos que vestem os carvalhos. A meio caminho a chuva persistente mudou em silandeira neve e, em cousa de umha hora, o branco engalanou o bidueiral, de jeito que ao chegar a aldeia abandonada de Teixedo todo era áuga aos nossos pes.


Por caminhos anegados continuamos a rota que, por riba dos 1.300 metros bordeia a fraga por pistas cobertas de neve, onde perdemos o aconchego do vento que nos presenteava a floresta. Acompanhará-nos desde entom um frio intenso que nom tiraremos dos nossos corpos até bem andado o descenso. As montanheiras demos fé das prediçoes metereológicas de alertas máximas e ciclogéneses explosivas, e comprovamos nos próprios corpos a dureza da montanha. No cúmio de Sam Mamede um forte vento carregado de neve gélida impedia-nos enxergar ao nosso redor; com dificuldade podiamos erguer as nossas cabeças para olhar-nos no caminho. Impossível nestas condiçoes tirar a foto de equipa no cúmio: malia que procuramos faze-lo na capela do Santo, o vento louco que semelhava aparecer desde todas as direçoes nom no-lo ia permitir.


Nestas condiçoes procuramos o refúgio que se atopa nas imediaçoes da capela, que encontramos em melhor estado que na rota de Janeiro de 2012. Ali pudemos petiscar algo, mas o intenso frio empurrou-nos a reanudar rapidamente a marcha, percorrendo durante aproximadamente 2 Km a crista de Sam Mamede até o Alto da Fornosinha, onde começamos o belido caminho de descenso que nos levaria de novo a aldeia da Ferreria, bulindo para espilir o frio por um caminho de neve, enquanto aos poucos nos foi acolhendo nas suas saias a montanha.

Rematou assim mais umha marcha da Agrupaçom, na que pudemos viver de perto a afouteça da montanha, que nos tinha preparada umha dura rota por causa do clima. Como sempre, o convívio ledo que nos procuram estas nossas aventuras e a nossa paixom polos cúmios desta Nossa Terra, fizeram deste roteiro umha belida marcha, animando-nos sem dúbida a repetir o Maciço, que percorreremos na próxima Marcha pola Serra de Queixa e o Samiom, para o próximo mês de Março, aguardando que, desta vez sim, as condiçons nom no-lo impidam.

Detalhes para o Acampamento 2017 Olá montanheiras! Já está toda pronto para o acampamento: esta sexta-feira, dia 15 de S...