Ecofeminismo

O ecofeminismo é baseado na teoria de que a opressom das mulheres e a opressom da natureza estam fundamentalmente ligadas. Na literatura ecofeminista, o ecofeminismo é normalmente descrito como a crença de que o ecologismo e o feminismo estam intrinsecamente conectados. Outra definiçom sugere que a discriminaçom e a opressom baseadas em gênero, raça e classe estam diretamente relacionadas à exploraçom e à destruiçom do ambiente.

Algumas escritoras ecofeministas dizem abertamente que tal opressom é patriarcal, enquanto outras preferem apenas insinuar. De qualquer modo, a ligaçom que está sendo feita entre as mulheres e a natureza é evidente. Mas enquanto algumas ecofeministas vêem a ligaçom entre a mulher e a natureza como fortalecedora, outras acreditam que essa ligaçom é imposta pelo patriarcado e é degradante.

O termo Ecofeminismo foi cunhado em 1974, do trabalho da feminista francesa Françoise d´Eaubonne, Le feminisme ou la mort. Mais tarde foi aplicado à raiz do Movimento Chipko na Índia e no Women´s Pentagon Action nos Estados Unidos da América.

O movimento ecofeminista rapidamente ganhou força nos EUA. Ynestra King e a ativista Grace Paley estavam entre as mulheres que organizaram a conferência "Women and Life on Earth" na Universidade de Massachusetts, em Amherst, em 1980. Após o sucesso de uma conferência na Universidade do Estado de Sonoma, no ano seguinte, um grupo de oito mulheres formou a primeira organização ecofeminista nacional - Woman Earth [fonte: Ress].

As ecofeministas levantam questóns como a poluiçom da água, o desflorestamento, a acumulaçom de lixo tóxico, o desenvolvimento agrícola e sustentabilidade, os direitos dos animais e a política de armas nucleares.

A literatura ecofeminista afirma que a noçom de poder deve ser reestruturada. As relaçons colaborativas devem ser cultivadas no lugar da dinâmica de poder. Baseado em grande parte no activismo, o objectivo é criar uma comunidade interligada e sem o patriarcado ou outras formas de hierarquia. Uma meta fundamental pode ser descrita como uma realidade onde toda a vida comande seu próprio valor essencial.

Nom importam as diferentes abordagens ou escolas de pensamento, uma coisa é certa; o ecofeminismo é um movimento global e plural com uma comunidade de activistas e teóricas crescente.


Termos úteis

Androcentrismo: dominaçom dos homens sobre as mulheres e a natureza.
Antropocentrismo: dominaçom humana sobre a natureza.


Bibliografia sobre ecofeminismo

Shiva, Vandana e Mies, María
. La práxis del ecofeminismo- Biotecnología, consumo, reprodución. Icaria Editorial. Colección Antrazyt, nº 128. Barcelona. 1998. 240 páxs.
Existe umha relaciom entre a opresom patriarcal e a destruiçom da natureça en nome do progreso e o beneficio? Como debería contabilizarse a violencia inherente a este proceso? Existe algunha relaciom entre o movemento de mulheres e outros movementos sociais? Este libro situa a responsabilidade e as respostas que as mulheres poden dar aos maiores problemas atuais do planeta, tanto meio-ambientais como económicos. Maria Mies é socióloga. é directora de estudos sobre a mulher no Institute of Socials Studies da Haia e profesora de sociología na Fachhochschüle de Colonia. Vandana Shiva é física, filósofa e feminista, directora do Research Fondation for Science, Technology and Natural.

Agra, María Xosé (comp.), Ecología y feminismo, Ed. Comares. Selecta. 1997.
Esta compilación reúne artigos chave de Françoise d'Eaubonne, Ariel Kay Salleh, Ynestra King, María Mies, Karen Warren, Irene Diamond, Vandana Shiva, Bina Agarwal e Val Plumwood. A selecçom permite apreciar tanto os seus puntos em común como as enormes diferenças que as separam.

A AGRUPAÇOM DE MONTANHA AUGAS LIMPAS (A.M.A.L.) é umha organizaçom independentista de defesa da terra. Toma o seu nome de um dos campamentos que o Exército Guerrilheiro do Povo Galego Ceive tinha nos Montes do Invernadoiro, no Maciço de Maceda.

A Terra galega comprende a actual Galiza administrativa e os territórios históricos orientais da Terra Návia-Eu, Vale de Íbias e Berzo,
a Cabreira e a Seabra.

A defesa da Terra implica conhecer, sentir, respeitar, desfrutar e identificar-se com o nosso País, o seu povo e a sua cultura.

A defesa da Terra implica defender o direito das galegas e galegos a vivermos dignamente no nosso território, sem ingerências impostas desde fora.

A defesa da Terra implica viver e relacionar-se com outras pessoas e com a natureza longe dos parámetros do consumo, individualismo e depredaçom capitalistas.

A defesa da Terra implica construir umha comunidade de resistência que faça frente à violência e espólio sistemáticos que se exercem sobre os recursos naturais, económicos e identitários da Galiza.


A AGRUPAÇOM DE MONTANHA AUGAS LIMPAS tem como actividades:

  • Conhecimento e desfrute da nossa Terra.
  • Marchas e campamentos de montanha.
  • Conscientizaçom e denúncia das agressons sobre o nosso território.


As actividades desenvolvem-se em território galego. O funcionamento interno é assembleário, havendo responsáveis de distintas funçons e actividades.

O símbolo da AGRUPAÇOM DE MONTANHA AUGAS LIMPAS é um/ha montanheiro/a com cabeça de cabra, símbolo de identificaçom com a nossa Terra.

Poderá fazer parte da A.M.A.L. qualquer galeg@ que partilhe estes princípios e esteja dispost@ a participar nas suas actividades.