Marcha pola Cabeça de Maceda




Saída: sexta feira, dia 8 de Dezembro de 2009, às 20:30 na estaçom de autocarros de Ourense.
Saída rota: 9:00 desde Pavilhom dos Desportos de Sam Martinho de Maceda.

Carácterísticas rota: distáncia aproximada 20 km, mas com o engadido da neve e de haver tramos de monte através fai-se de dureza alta.

Durmida: fara-se no pavilhom, polo que pensai em levar mantas para além dos sacos-cama. O parquet estará coberto com alcatifa, polo que algo já nos isolará do frio.

Comida: tendes que trazer ceia de sexta; almorço, jantar ligeiro e cómodo de comer (dificilmente daremos com um lugar apropriado para parar a jantar durante a rota) e ceia para sábado, e mais almorço para domingo.

Material: a zona pola que nos moveremos está nesta altura de ano ateigada de regatos que para além da neve que atoparemos em todo ou case todo o caminho nos obrigam a ir bem protegidos perante estes dous elementos. De nom ter material específico (polainas, calças impermeáveis....) sempre podedes engenhar qualquer apanho com sacas plásticas da compra e fita-cola. Do resto, o de sempre: botas axeitadas, luvas, pucho mudas...

Conselho: a neve pode impedirnos chegar com o carro até Maceda, polo que será quase imprescindível que levemos cadeias. Trataremos de ter algumhas de sobra, mas nem todas servem para qualquer carro, polo que tratade de vir com elas. Também nom abadonar a actividade por medo a esta eventualidade, pois ainda que a prensa diga que vai ser de coidado, na sexta e no sábado acho que vai ser pouca a neve que caia, ainda que sim o fará em cotas muito baixas.

Rota: o percorrido previsto parte da propria aldeia de Maceda (600m de altura) arrodeando a cara oriental da Cabeça de Maceda até achegar-mo-nos a Prada, umha aldeia abandonada na fondura dum val de origem glaciar. Deste ponto dará começo o ascenso cara a Lagoa Grande, também situada no meio dum circo glaciar de proporçons espectaculares chamado as Aguilhadas. Aqui continua o ascenso até atingir os 1500-1600 metros, lugar no que atoparemos o curro de Requeixo. Logo seguiremos umha pista até o conhecido como o Penedo dos Lobos e desde aqui baixamos de novo a Maceda, passando na entrada a esta polo souto de Rozabales, conhecido por ter um dos castinheiros de maior perímetro da Galiza, o Castinheiro de Pombarinhos.
.
.

A AGRUPAÇOM DE MONTANHA AUGAS LIMPAS (A.M.A.L.) é umha organizaçom independentista de defesa da terra. Toma o seu nome de um dos campamentos que o Exército Guerrilheiro do Povo Galego Ceive tinha nos Montes do Invernadoiro, no Maciço de Maceda.

A Terra galega comprende a actual Galiza administrativa e os territórios históricos orientais da Terra Návia-Eu, Vale de Íbias e Berzo,
a Cabreira e a Seabra.

A defesa da Terra implica conhecer, sentir, respeitar, desfrutar e identificar-se com o nosso País, o seu povo e a sua cultura.

A defesa da Terra implica defender o direito das galegas e galegos a vivermos dignamente no nosso território, sem ingerências impostas desde fora.

A defesa da Terra implica viver e relacionar-se com outras pessoas e com a natureza longe dos parámetros do consumo, individualismo e depredaçom capitalistas.

A defesa da Terra implica construir umha comunidade de resistência que faça frente à violência e espólio sistemáticos que se exercem sobre os recursos naturais, económicos e identitários da Galiza.


A AGRUPAÇOM DE MONTANHA AUGAS LIMPAS tem como actividades:

  • Conhecimento e desfrute da nossa Terra.
  • Marchas e campamentos de montanha.
  • Conscientizaçom e denúncia das agressons sobre o nosso território.


As actividades desenvolvem-se em território galego. O funcionamento interno é assembleário, havendo responsáveis de distintas funçons e actividades.

O símbolo da AGRUPAÇOM DE MONTANHA AUGAS LIMPAS é um/ha montanheiro/a com cabeça de cabra, símbolo de identificaçom com a nossa Terra.

Poderá fazer parte da A.M.A.L. qualquer galeg@ que partilhe estes princípios e esteja dispost@ a participar nas suas actividades.